Trad Mag Editors The editors publish reader submissions and editorial staff opinion pieces. To submit an article, email editor@tradmag.org

Unholy Alliance: Facebook Brazil and Government Censor Right-Wing Movement

7 min read

Brazil's president Dilma Rousseff and Mark Zuckerberg (PHOTO: Roberto Stuckert Filho/Brazilian Government Press Office)
 
*Scroll down for a Portuguese Translation / Role para baixo para ler a versão em português

Note from the editor

Discussing the issue of social media platform censorship with the author of this piece, Brazilian activist Rafael Ribeiro, I mentioned the strange and self-defeating indifference toward censorship shown by many right-leaning people in the United States, thanks to overwhelming libertarian influence in the American right.

United with libertarians for years by a belief in limited government, right-wingers have adopted the so-called “principled” view that government regulation is always unacceptable; seeing government, by nature, as the “enemy of freedom.” Surely, sometimes it can be.

Some have gone so far as to adopt the utopian, anarchist view that free market capitalism will resolve all societal ills, and seem to believe that advocating any state interference in the private sector is futile, or even immoral.

There are a few glaring contradictions with these premises that libertarians and their conservative allies tend to ignore, particularly on the issue of internet censorship.

The first is that large corporations like Facebook and Google are spying on users, as well as collecting and selling their data. On what basis is it okay when corporations with massive scope and influence do it, but not okay when the government does it?

Ironically, some American advocates of limited government ignore the fact that governments are already working with Facebook to combat “Fake News” and “hate speech.” Under the justification that Facebook itself is not the government, some conservatives believe social media platform censorship is a non-issue.

The American right has tied its hands with this stance, perhaps because the urgency of political survival is not yet apparent in the United States. Ribeiro, who is living through a right-wing backlash in Brazilian politics after years of leftist political monopoly and a socialist government, argues that censorship by major, influential social media platforms could be detrimental to their campaign, and similar movements around the world.


By: Rafael Ribeiro

Under the auspice of combating so-called “Fake News,” Facebook has shut down hundreds of pages and profiles associated with right-wing social movements and organizations in Brazil. This episode happened not so long after Facebook CEO Mark Zuckerberg testified before the U.S. Congress, where conservative senators accused his company of censoring on the basis of political affiliation.

One of the groups targeted by what appears as arbitrary censorship was Movimento Brasil Livre (MBL), a very active South American grassroots organization composed of young conservative activists, who, from 2015-2016, were responsible for organizing the massive protests that lead to the impeachment of former socialist President Dilma Rousseff.  Some MBL members are planning on running for office in the upcoming elections this year.

Another group whose page was suspended is Movimento Brasil 200, a group led by conservative writer and businessman Roberto Motta, who is running for Congress in October under a pro-gun rights and small government platform. Motta says that Facebook’s actions constitute outright censorship and curb freedom of speech in Brazil. He fully described what happened to him and his colleagues in a Facebook post:

“Facebook Brazil has partnered with ‘fact checking’ agencies and non-profits. Most or all of them are staffed with left-leaning journalists or academics who formed the support base for the Lula and Dilma governments. It was their choice – but they are anything but neutral.

It caused widespread outrage the fact that all the individuals and pages affected – deleted and canceled with no notice or opportunity to present a defense – belonged to conservative or libertarian groups. No single page on the left was affected, even though a large number of them engage daily in propagation of hate speech, promotion of social conflict and dissemination of incorrect or biased version of events – what you could call ‘fake news.'”

As Motta wrote, Facebook Brazil has partnered up with “fact-checking” agencies, such as Lupa, in order to avoid the spread of “Fake News” that they say might influence voters in the October elections… to vote for right-wing candidates. No doubt, the staff and leadership of  these fact-checking agencies are mostly self-proclaimed liberals, and some are affiliated with socialist parties.

Pauline Mendel, one of the Lupa staffers tasked with the responsibility of objective “fact-checking,” tweeted about right-wing candidate Jair Bolsonaro:

“Jair Bolsonaro is disgusting. My goodness, who voted for this man?! Homophobic, racist, ignorant … One tweet is not enough to describe him.”

In 2015, after street protests organized in Facebook groups caused turmoil for her government, former President Dilma Rousseff of the Workers’ Party met with Mark Zuckerberg in Panama to discuss means for regulating content on his social network, with the proclaimed goal of “tackling cyber security and human rights violations on the Internet in cooperation with a private initiative.”

With all that said, we cannot help but infer that Facebook is indeed censoring conservative ideas, and jeopardizing free speech in Brazil in cooperation with government officials. To make matters worse, Brazilian media outlets are mostly owned by politicians.

The October 2018 elections are crucial for our country’s future. There is a growing, spontaneous and legitimate interest in not renewing the terms of the leftist political figures presently in office, coupled with a strong ideological shift in voters’ minds. Brazilian activists count on social networks to counteract the mainstream media narrative and reach voters with our message.

About The Author

Rafael Ribeiro is a Brazilian conservative activist and Fulbright alumnus. He had a year experience with the liberty movement in the U.S. with organizations such as Turning Point USA and Young Americans for Liberty, and is published in the Foundation for Economic Education. He is closely involved with political organizations in his home country.


Aliança Profana: Facebook Brasil, governo e censura a movimentos de direita

Nota do editor

Discutindo a questão da censura nas redes sociais com o autor deste artigo, o ativista brasileiro Rafael Ribeiro, mencionei a estranha e autodestrutiva indiferença em relação à censura demonstrada por muitas pessoas de direita nos Estados Unidos, graças à esmagadora influência libertária no país.

Unidos com os libertários durante anos por uma crença no governo limitado, os direitistas adotaram a chamada visão, “baseada em princípios”, de que a regulamentação governamental é sempre inaceitável; vendo o governo, por natureza, como o “inimigo da liberdade”. De fato, às vezes isso pode ser verdade.

Alguns chegaram ao ponto de adotar a visão utópica de que o capitalismo de livre mercado resolverá todos os males sociais e parecem acreditar que advogar qualquer interferência do Estado no setor privado é fútil ou mesmo imoral.

Existem algumas contradições gritantes com relação a essas premissas que os libertários e seus aliados conservadores tendem a ignorar, particularmente sobre a questão da censura na internet.

A primeira é que grandes corporações como o Facebook e o Google estão espionando usuários, bem como coletando e vendendo seus dados. Baseado em que podemos acreditar que está tudo bem quando corporações com escopo e influência maciças fazem isso, mas não aceitável quando o governo faz isso?

Ironicamente, alguns defensores do governo limitado nos EUA ignoram o fato de que os governos já estão trabalhando com o Facebook para combater “Fake News” e “discurso de ódio”. Sob a justificativa de que o Facebook não é o governo, alguns conservadores acreditam que a censura nas plataformas de mídia social não é um problema.

A direita americana deu de ombros a essa postura, talvez porque a urgência da sobrevivência política ainda não seja aparente nos Estados Unidos. Ribeiro, que está testemunhando uma reação de direita na política brasileira após anos de monopólio político esquerdista e um governo socialista, argumenta que a censura imposta por grandes e influentes plataformas de mídia social pode ser prejudicial à sua campanha política e a movimentos semelhantes em todo o mundo.


Por: Rafael Ribeiro

Com o pretexto de combater as chamadas “Fake News”, o Facebook fechou centenas de páginas e perfis associados a movimentos e organizações sociais de direita no Brasil. Este episódio aconteceu não muito tempo depois que o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, testemunhou perante o Congresso dos EUA, onde os senadores conservadores acusaram sua empresa de censurar usuários com base na filiação política.

Um dos grupos visados pelo que parece ser uma censura arbitrária foi o Movimento Brasil Livre (MBL), uma organização muito ativa composta por jovens conservadores que, de 2015 a 2016, foram responsáveis pela organização dos protestos em massa que levam ao impeachment da ex-presidente socialista Dilma Rousseff. Alguns membros do MBL estão planejando concorrer a cargos nas próximas eleições deste ano.

Outro grupo cuja página foi suspensa é o Movimento Brasil 200, liderado pelo escritor e empresário conservador Roberto Motta, que está concorrendo ao Congresso em outubro sob uma plataforma pró-armamento civil e Estado mínimo. Motta diz que as ações do Facebook constituem uma censura total e restringem a liberdade de expressão no Brasil. Ele descreveu o que aconteceu com ele e seus colegas em um post no Facebook:

“O Facebook Brasil tem parceria com agências de ‘verificação de fatos’ e organizações sem fins lucrativos. A maioria deles é composta por jornalistas de esquerda ou acadêmicos que formaram a base de apoio dos governos Lula e Dilma. Foi a escolha deles – mas eles são tudo menos neutros.

Isso causou indignação generalizada ao fato de que todos os indivíduos e páginas afetados – excluídos e cancelados sem aviso prévio ou oportunidade de apresentar uma defesa – pertenciam a grupos conservadores ou libertários. Nenhuma página à esquerda foi afetada, mesmo que um grande número deles se envolva diariamente na propagação de discursos de ódio, promoção de conflitos sociais e disseminação de versões incorretas ou tendenciosas de eventos – o que você poderia chamar de ‘notícias falsas’.

Como Motta escreveu, o Facebook Brasil fez parcerias com agências de “verificação de fatos”, como a Lupa, para evitar a disseminação de “Fake News” que supostamente poderiam influenciar os eleitores nas eleições de outubro… a votarem em candidatos de direita. Sem dúvida, a equipe e a liderança dessas agências de checagem de fatos são, em sua maioria, liberais autoproclamados, e alguns são afiliados a partidos socialistas.

Pauline Mendel, uma das funcionárias da Lupa encarregada responsável pela “checagem de fatos” objetiva, twittou sobre o candidato de direita Jair Bolsonaro:

“Jair Bolsonaro é nojento. Quem votou nesse homem, meu Deus?! Homofóbico, racista, sem educação… Não cabe nesses caracteres. Uóh!”

Em 2015, depois que protestos de rua organizados em grupos no Facebook causaram tumulto em seu governo, a ex-presidente Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores se reuniu com Mark Zuckerberg no Panamá para discutir meios de regulamentar o conteúdo de sua rede social, com o suposto objetivo de combater “violações dos direitos humanos na Internet, em cooperação com uma iniciativa privada”.

Com tudo isso dito, não podemos deixar de inferir que o Facebook está de fato censurando ideias de direita e colocando em risco a liberdade de expressão no Brasil em cooperação com autoridades do governo. Para piorar a situação, os meios de comunicação brasileiros são em sua maioria propriedade de políticos.

As eleições de outubro de 2018 são cruciais para o futuro do nosso país. Há um interesse crescente, espontâneo e legítimo em não renovar os mandatos das figuras políticas de esquerda atualmente no cargo, juntamente com uma forte mudança ideológica nas mentes dos eleitores. Ativistas brasileiros contam com as redes sociais para combater a narrativa midiática e atingir os eleitores.

Sobre o Autor

Rafael Ribeiro é um ativista conservador brasileiro e ex-bolsita Fulbright. Entre 2017 e 2018 Rafael morou nos EUA, onde teve uma experiência com o movimento libertário-conservador atuando junto a organizações como a Turning Point USA e Young Americans for Liberty. Também teve um artigo sobre o economista Roberto Campos publicado pela Foundation for Economic Education.

Trad Mag Editors The editors publish reader submissions and editorial staff opinion pieces. To submit an article, email editor@tradmag.org

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *